Europa tem mais restrições e medo de novos confinamentos - CMN - Campos Magazine News

News

terça-feira, 22 de setembro de 2020

Europa tem mais restrições e medo de novos confinamentos

Países como França, Espanha, Reino Unido e Alemanha começam a endurecer regras para evitar disseminação ainda maior do coronavírus

EFE/EPA/CAROLINE BLUMBERG

As restrições e o medo de novos confinamentos aumentam na Europa em face da segunda onda de coronavírus.


A Espanha, país com mais casos na União Europeia, tem o epicentro da pandemia em Madri, onde até esta segunda-feira (21) havia 850 mil pessoas com liberdade de movimento limitada. Enquanto isso, o Reino Unido avisa que está em um "ponto crítico".


O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, alertou nesta segunda-feira para o perigo de que o aumento dos casos novos casos de covid-19 na Europa acabe afetando a Alemanha e coloque a Espanha como exemplo de um lugar onde a pandemia "não está sob controle".


Em entrevista à rádio pública nacional Deutschlandfunk, Spahn disse que o que o preocupava era "a dinâmica" da Alemanha.


Mas especialmente “em nossos vizinhos imediatos, como França, Áustria, Holanda, todos esses países têm uma incidência muito maior que a nossa e uma dinâmica, por exemplo, na Espanha, que parece não estar sob controle”, acrescentou.


Os casos de coronavírus em todo o mundo já ultrapassaram, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins, 31 milhões de pessoas e o número de mortos se aproxima de 961 mil.


Mobilidade limitada para 850 mil habitantes do sul de Madri


O sul de Madri amanhece esta segunda-feira com fortes medidas de limitação da mobilidade, que atinge 850 mil habitantes espalhados por seis distritos, especialmente no sul, e outros sete municípios da região.


Este semiconfinamento, nas zonas mais pobres e povoadas de Madri, significa que só será possível sair dessas áreas para atividades essenciais, como ir ao trabalho, frequentar a universidade ou cuidar de um idoso.


Além disso, outras medidas entram em vigor hoje, como a limitação das reuniões a seis pessoas, a redução da capacidade dos lugares para 50%, enquanto os velórios são limitados a 15 pessoas ao ar livre e dez em locais fechados, a lotação dos locais de culto. foi reduzida a 33% da capacidade máxima e parques e jardins foram fechados.


Reino Unido: se não houver medidas serão 50 mil atendimentos diários até meados de outubro


A pandemia da covid-19 está aumentando em todo o Reino Unido. As infecções diárias podem chegar a 50 mil e as mortes a mais de 200 por dia em meados de outubro se não forem tomadas medidas para conter o coronavírus, disse o diretor científico do governo, Patrick Vallance, na segunda-feira.


Os casos da doença dobram a cada sete dias, mas sem restrições a velocidade de expansão da pandemia vai disparar, explicou Vallance em apresentação junto com o diretor médico do governo, Chris Whitty.


Esses dois especialistas, principais assessores científicos do Executivo, se reuniram no fim de semana com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e com o ministro da Saúde, Matt Hancock, para avaliar o preocupante progresso da covid-19 no país, onde mais mais de 40 mil pessoas morreram desde o início da pandemia.


Na Alemanha, Munique também visa restrições


O chefe do Governo da Baviera, Markus Söder, anunciou a intenção de reduzir o número de eventos privados, aumentar o uso da máscara e restringir o consumo de álcool em locais públicos para conter o crescente número de casos em Munique.


Söder destacou a necessidade de reagir aos índices de contágio que são "muito altos" na capital bávara. No domingo, Munique havia atingido 55,6 novas infecções por 100 mil habitantes nos últimos sete dias.


O principal problema, disse Söder, são os "inúmeros eventos privados", bem como as reuniões em locais públicos como as praças. Ele descreveu como "prioridade" manter as escolas e creches abertas e também evitar uma nova desaceleração econômica.


A Alemanha informou nesta segunda-feira que nas últimas 24 horas registrou 922 novos casos. O Instituto Robert Koch, um importante centro epidemiológico na Alemanha, alertou sobre um "novo aumento nas infecções".


No total, a Alemanha soma 272.337 casos de coronavírus — em uma população total de 83,2 milhões de pessoas —, dos quais cerca de 242,2 mil já se recuperaram da doença. O número de mortos sobe para 9.386.


Bélgica nota aumento de casos, mas pede para não entrar em pânico


A Bélgica atingiu 102.295 casos acumulados de covid-19 desde o início da pandemia e apresenta uma taxa de 117,7 casos por 100 mil habitantes, em média, no período entre 4 e 17 de setembro, um aumento de 111% em relação a os dados da semana anterior


"Notamos que os aumentos continuam em todo o país", disse um dos porta-vozes da equipe inter-federal belga contra o coronavírus, Boudewijn Catry, que destacou que por enquanto "o aumento de novas hospitalizações não parece se traduzir em aumento de mortes".


Apesar de os dados na Bélgica aumentarem "como em muitos países europeus", o comité belga dedicado à covid-19 considera que não se deve entrar em "pânico", pois a situação pode ser reorientada segundo as "regras de ouro" sobre higiene, máscara, distanciamento físico e atividades ao ar livre ou com boa ventilação, evitar aglomerações e contato próximo com idosos.


Na França, Lyon se junta a outras cidades em medidas contra a covid-19


Na França, Lyon, a terceira cidade do país em população, anunciará em breve medidas para conter a pandemia do coronavírus.


Assim, junta-se a outras grandes cidades do país, como Nice, Bordeaux e Marselha. Em todos eles, a taxa de infecção é três ou quatro vezes superior ao nível de alerta de 50 casos por 100 mil habitantes.


As medidas deverão ser comparáveis ​​às aplicadas em Bordeaux e Marselha no fim de semana passado: proibição de reuniões de mais de dez pessoas em espaços públicos, redução para 1.000 pessoas no limite de afluência de eventos públicos, cancelamento de grandes eventos, suspensão de casamentos e limitação de visitas a asilos.


Com a taxa de incidência nacional de 83 casos por 100 mil habitantes, o governo alerta que a circulação do vírus na França é "muito ativa" e embora se expanda a uma velocidade três vezes menor do que na primavera passada, em o pico da epidemia, quer evitar a saturação do sistema de saúde.


Na Holanda, novas restrições para seis regiões do país


Na Holanda, novas restrições regionais entraram em vigor neste domingo, que foram aprovadas pelo governo na última sexta-feira.


Está previsto o fechamento de bares e restaurantes nas províncias ocidentais do país e a capacidade é limitada a 50 pessoas.


As medidas afetam apenas seis regiões ocidentais — com cidades como Amsterdã, Rotterdã, Utrecht, Haarlem e Haia — onde a estratégia que foi aplicada até agora se limitava, como no resto do país, ao distanciamento social, sem máscaras obrigatórias, exceto em transportes públicos e com escolas abertas em situação normal durante um mês.


O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, explicou em entrevista coletiva que essas medidas adicionais são "necessárias" para "recuperar o senso de emergência" porque "o vírus está voltando, os dados são preocupantes" e os holandeses são "menos rígidos" com as medidas que se aplicam agora.




R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário