Rio Paraíba alcança 9,49 metros e moradores começam a deixar casas - CMN - Campos Magazine News

News

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Rio Paraíba alcança 9,49 metros e moradores começam a deixar casas

Foto: Genilson Pessanha
O rio Paraíba do Sul alcançou, às 15h desta sexta-feira (14), 9,49 metros e a água já invade casas nos bairros Ilha do Cunha e da Coroa, onde moradores retiram animais e começam a deixar suas residências para se abrigarem em casas de parentes. 

De acordo com a Defesa Civil municipal, a cota de transbordamento é de 10,60 metros. Em um intervalo de 24 horas, o rio subiu cerca de dois metros em Campos e, na manhã desta sexta, a água já havia invadido o Cais da Lapa, no Centro. Em outras cidades, como Itaperuna, Bom Jesus do Itabapoana, Santo Antônio de Pádua e Cardoso Moreira, as coordenadorias de Defesa Civil também estão em alerta e monitoram as cheias dos rios.

Segundo os moradores da Ilha do Cunha, oito residências estão em situação de risco.

De acordo com a Prefeitura, a pesar de a Defesa Civil municipal não ter recebido solicitações para remoção de famílias em áreas ribeirinhas, equipes estiveram durante à tarde na Coroa, Ilha do Cunha e Três Vendas auxiliando os moradores. 

Na localidade de Três Vendas, a equipe vai avaliar como o rio Muriaé está se comportando nesse trecho e manter a população informada sobre os monitoramentos feitos pelo órgão. Segundo o coordenador da Defesa Civil, major Edison Pessanha, o órgão segue monitorando a represa Ilha dos Pombos, entre os municípios do Carmo (RJ) e Além Paraíba (MG), e os outros afluentes do rio Muriaé. De acordo com o monitoramento, a represa mantém a vazão de 1.450 metros cúbicos de água por segundo.

— Em uma hora, o Paraíba subiu 5 centímetros. Na medição das 14h, estava em 9,44 m e, na de 15h, subiu para 9,49 m, sendo que a cota de transbordo é de 10,60 m. Isso ainda não apavora, como ocorreu ontem (quinta), quando, em 24 horas, o nível subiu dois metros. A preocupação é que a represa da Ilha dos Pombos continua com a vazão alta, então, com o rio cheio, ainda tem muita água por vir. Em outras cidades, os rios continuam baixando, mas isso com os afluentes do rio Muriaé. Pelo Paraíba, ainda está vindo bastante água — informou o coordenador da Defesa Civil municipal, major Edison Pessanha, acrescentando que a última vez que o rio atingiu esta cota foi em janeiro de 2012.

Em caso de emergência, a Defesa Civil deve ser acionada através do 199 ou (22) 981752512.

Região – Em Cardoso Moreira, a Defesa Civil informou que o rio Muriaé atingiu a marca de 7,52 metros, sendo que o nível de transbordo é de 8 metros. O município segue em estágio de alerta. "Seguimos em vigilância, monitorando a situação do nível do rio nos municípios à montante. A orientação é para que a população das áreas mais baixas procure um local seguro e retire suas coisas", informou a Defesa Civil.

Em Santo Antônio de Pádua, o nível do rio Pomba chegou a 6,13 metros na manhã desta sexta, ultrapassando sua margem de transbordo. A Defesa Civil do município informou que em Cataguases (MG), o rio Pomba está em 8,23 metros. "A Secretaria Municipal de Defesa Civil e o Departamento de Comunicação Social estão de plantão atualizando as informações em suas páginas oficiais. Além disso, os telefones 199 e 3851-2165 (Defesa Civil) estão disponíveis para informações e solicitações", informou.

Em Bom Jesus do Itabapoana, o rio Itabapoana chegou a 2,75 m, 65 cm acima da cota de transbordo. Segundo a Defesa Civil, há uma previsão que algumas águas da cabeceira do rio, na região do Caparaó, cheguem a Bom Jesus nesta sexta. "Estamos contando que a cheia não seja como a que tivemos há três semanas. Nós estamos de prontidão, em alerta", informou a Defesa Civil.

Em Itaperuna, o município segue em alerta vermelho. O rio Muriaé continuou a subir nesta sexta-feira e atingiu a marca de 5,81 metros. Algumas ruas ficaram alagadas, principalmente na área central. Devido às chuvas, a secretaria de Educação suspendeu as aulas nas escolas da zona urbana, do campo e creches da rede municipal de ensino.




Folha 1

Nenhum comentário:

Postar um comentário