Médicos de Campos decidem entrar em greve durante assembleia - CMN - Campos Magazine News

News

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Médicos de Campos decidem entrar em greve durante assembleia

Categoria reivindica pagamento de salários atrasados e cumprimento de acordo
Assembleia realizada na SFMC / Rodrigo Silveira | Reprodução
Médicos da rede municipal de Saúde de Campos entraram em greve na noite desta terça-feira (11) após assembleia realizada no auditório da Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia. Segundo os profissionais, eles enfrentam problemas com falta de pagamentos e retirada de férias, descumprimento do ultimo acordo de greve, realizado em agosto de 2019, e más condições de trabalho. Essa é a segunda vez que a categoria paralisa as atividades em sete meses. O presidente do sindicato, José Roberto Crespo, informou que o município será notificado nesta quarta e a paralisação começa a partir da próxima terça (18).

— Não houve cumprimento do último acordo que fizemos. Não houve nenhum tipo de melhoria nas condições de trabalho desde o último ano. Pelo contrário, só pioraram. Agora, com esse calor extremo, recebemos a informação que médicas desmaiaram em ambientes totalmente fechados, sem nenhum tipo de climatização. O gozo das férias, que eles afirmaram que seriam concedidas sem o pagamento de 1/3, eles só estão concedendo para quem tem férias acumuladas. Sobre a gratificação de julho, que ficaram de pagar em novembro, nenhum pagamento foi realizado — afirmou José Roberto Crespo.

Profissionais relatam problemas, ainda, com o sistema de marcação de consultas Sofia, implantado pelo município recentemente. “O número de atendimentos caiu muito e pacientes afirmam que estão sendo informados com atraso sobre as marcações”, completou o médico.

No fim de janeiro, o sindicato já havia anunciado que ajuizaria uma ação para cobrar as gratificações e substituições do ano passado. O pagamento fazia parte do acordo feito entre o município e o sindicato, realizado em agosto de 2019. A paralisação durou 23 dias, durante os meses de julho e agosto, e várias propostas foram discutidas até o encerramento do movimento grevista.

Como a saúde é considerada um serviço essencial, mesmo em período de greve, os profissionais não podem interromper totalmente o atendimento nas unidades. A lei não define a porcentagem de trabalhadores que devam permanecer em determinados setores, como os de urgência e emergência. A regra inicial que é a da responsabilidade e da ética para com a vida humana, prevista no Código de Ética da categoria. O sindicato ainda não informou como serão organizadas as equipes de trabalho durante o período




Folha 1

Nenhum comentário:

Postar um comentário