Cuidados para quem procura praias, rios, cachoeiras, lagoas e piscinas no verão - CMN - Campos Magazine News

News

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Cuidados para quem procura praias, rios, cachoeiras, lagoas e piscinas no verão

Praia de Farol de são Thomé - Campos RJ | Foto: Fabiana Henriques
O verão chegou e com ele o aumento de banhistas nas praias, rios, cachoeiras, lagoas e piscinas. Para atuar na prevenção de acidentes, o Corpo de Bombeiros iniciou uma operação especial na região. 

A corporação informou que está com um efetivo de Guarda Vidas atuando nas praias de Grussaí e Atafona, no litoral de São João da Barra, e na praia campista de Farol de São Thomé. Além disso, estão sendo utilizadas motos aquáticas e quadriciclos. 

Na alta temporada de 2018, o 5º Grupamento de Bombeiros Militar (GBM) realizou 2371 ações de prevenção a afogamento e 657 resgates. Destas, 197 vítimas foram retiradas da água. Outro cuidado a ser tomado é com qualidade da água das praias de São Francisco, São João da Barra e Campos.

— Este ano, nossos guarda-vidas já realizaram aproximadamente 12 mil salvamentos em todo o estado. A maioria deles, no verão, quando as temperaturas sobem e há expressivo aumento do número de frequentadores nas praias do Estado. O planejamento estratégico adotado pela corporação nesta época tem como objetivo reforçar o atendimento e estimular a conscientização da população a fim de evitar afogamentos. É fundamental que as pessoas sigam as recomendações e obedeçam à sinalização, evitando riscos durante o banho de mar — explicou o coronel Glauco Lorite, comandante das atividades de Salvamento Marítimo do CBMERJ.

Além disso, a instituição afirma que outros cuidados devem ser tomados pelos banhistas a fim de se evitar afogamentos. Uma boa alimentação, com bastante hidratação, uso de protetor solar, barraca de praia e/ou camisa de proteção UVA, além de óculos escuros ou boné são outros cuidados que os banhistas devem tomar para se evitar problemas devido ao sol e o calor. Além destes, deve-se evitar a ingestão de bebidas alcoólicas, a utilização de boias, câmara de ar ou colchões infláveis como material flutuante em mares, lagos ou lagoas. Estes materiais dão uma falsa sensação de segurança e podem ocasionar acidentes, informou.

Em caso de piscina de uso coletivo, deve sempre observar se há Guardião de Piscina que é um requisito obrigatório para o funcionamento. “Além disso, a piscina deve dispor de botoeira automática para desativação da bomba de sucção do ralo em caso de alguma emergência onde alguém pode ficar presa no ralo da piscina. Os pais nunca devem deixar seus filhos sozinhos nas piscinas. A orientação é que a distância segura para estar afastado das crianças é de um braço. Nas piscinas residenciais, os cuidados devem existir também. Deve ser instalada cercas ou telas de proteção no entorno da piscina, os pais não devem deixar seus filhos sozinhos sem o acompanhamento de um adulto que saiba nadar. Boias de braço e de cintura não são indicadas e podem ocasionar acidentes”, completou.

Afogamentos - Caso seja avistado alguém em situação de afogamento, a indicação é que não entre na água para retirar a vítima, caso o local não seja seguro, não tenha boa habilidade natatória ou que não tenha nenhum objeto que possa fornecer flutuabilidade para a vítima. Nesses casos o importante é acionar o socorro do Corpo de Bombeiros, acompanhar a vítima e tentar fornecer algum objeto flutuante, como caixa de isopor, garrafa pet tampada, prancha, pedaços grandes de madeira, para que ela se mantenha na superfície até o socorro chegar.

Qualidade da água precisa ser verificada - O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) é responsável por atestar a balneabilidade de locais utilizados para banho e atividades esportivas em suas águas. O que determina a possibilidade é a quantidade de bactérias do grupo coliforme. Ao todo, o órgão fornece, quinzenalmente o resultado de testes de 25 praias dos municípios de São Francisco de Itabapoana, São João da Barra e Campos.

São sete praias e três pontos de lagoa analisadas em São João da Barra. Três delas apresentaram qualidade ruim no último teste realizado. Todos estão na Lagoa de Grussaí e na faixa da praia que faz ligação com ela. Chapéu do Sol e Atafona não tiveram problemas. 

Após o fechamento da Foz, no final de outubro, o Pontal de Atafona também passou a ser frequentado por muitos banhistas. Após coleta em novembro, foi constatado que as águas se encontram fora do padrão de balneabilidade. Nenhum novo resultado foi divulgado.

Em São Francisco, as praias de Gargaú, em frente à torre de transmissão, e Sossego, em frente à rua principal, foram consideradas impróprias para banho. Já Manguinhos, Guaxindiba, Tropical, Itaperuna e Sonho tem boa qualidade.

Em Campos, todos os oito pontos analisados, cinco na praia de Farol de São Thomé e três no Balneário Lagamar, passaram no teste realizado,

Além disso, o Inea orienta que seja evitado o banho de mar nas primeiras horas após a ocorrência de chuvas e próximo a galeria de águas pluviais ou canais de drenagem.




Fonte: Folha 1

Nenhum comentário:

Postar um comentário