Porciúncula, RJ, tem mais de 3 mil desalojados após cheia do rio Carangola - CMN - Campos Magazine News

News

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

Porciúncula, RJ, tem mais de 3 mil desalojados após cheia do rio Carangola

Cidade foi atingida pela cheia devido à chuva intensa em Minas Gerais. Além dos desalojados e desabrigados, outras 8.600 pessoas também foram afetadas pelas inundações, segundo balanço da Defesa Civil.

 Foto: João Brum/ Inter TV

Milhares de pessoas foram afetadas pela cheia do Rio Carangola em Porciúncula, no Noroeste Fluminense, devido às fortes chuvas que atingiram o estado de Minas Gerais. Segundo balanço divulgado pela Prefeitura na tarde deste domingo (21), 3.246 pessoas precisaram deixar suas casas.


Entre os desalojados, 146 não tinham para onde ir e foram encaminhados para abrigos. Outras 8.600 pessoas foram afetadas de alguma forma pelas inundações.


O Secretário de Estado de Defesa Civil e Comandante Geral do Corpo de Bombeiros, Leandro Monteiro, percorreu o município para avaliar os estragos deixados pela enchente. O trabalho foi feito na companhia do prefeito Leo Coutinho e do secretário municipal de Defesa Civil, Josiel de Souza Ieka.


Os desabrigados foram encaminhados para abrigos, conforme relação abaixo:


  • Escola M. Mirela: 46 pessoas
  • CIEP: 82 pessoas
  • Igreja Metodista : 07 pessoas


11 desabrigados foram encaminhados para abrigos nesta segunda


A cota de transbordo do Rio Carangola, em Porciúncula, é de 5,20m. Mas, ainda na noite de sexta-feira (19), começou a transbordar. No sábado, o rio chegou a 8,40m, por volta das 21h. Mas, apesar da chuva de sábado, o nível do rio começou descer, chegando, às 11h de domingo, a 6,35m; e, durante a tarde, a 5,80m.


Segundo a Prefeitura, os bairros que mais sofreram com as cheias foram Centro, Ilha, Operário, Nossa senhora da Penha, João Francisco Braz e João Clóvis Breijão.


"A orientação da Defesa Civil é que a população se mantenha afastada das áreas de alagamento, podendo realizar limpeza, mas recomenda não descer os móveis", alerta o município.









G1 — Noroeste Fluminense

Nenhum comentário:

Postar um comentário