Hospitais de Campanha de Casimiro de Abreu e Campos somem do plano de contingência do Governo do RJ - CMN - Campos Magazine News

News

sexta-feira, 12 de junho de 2020

Hospitais de Campanha de Casimiro de Abreu e Campos somem do plano de contingência do Governo do RJ

Dois deles, em Campos e em Casimiro, sumiram do plano de contingência. Promessa agora é entregar as unidades de São Gonçalo e de Nova Iguaçu, na próxima semana.
(Foto: Minfra/Divulgação)
O cronograma para a instalação dos hospitais de campanha, administrados pelo poder público do Rio de Janeiro, atrasou. Das sete unidades previstas, apenas o hospital no Maracanã, na Zona Norte do Rio, funciona.

Três não tem prazo para entrar em funcionamento:
  • Nova Friburgo, na Região Serrana;
  • Campos, na Região Norte
  • Casimiro de Abreu, na Região dos Lagos.

A promessa do governo do RJ é de que as unidades previstas para São Gonçalo, na Região Metropolitana, e Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, funcionem a partir da próxima semana.

Nesta quinta-feira (11), o secretário estadual de Saúde, Fernando Ferry, esteve no local onde funcionará a unidade de Nova Friburgo. Ele disse que, na próxima semana, iniciará a instalação dos leitos.

Após quatro atrasos, a secretaria evita dar uma data para a unidade começar a funcionar, mas garante que o hospital será entregue à população da Região Serrana.

Já os hospitais de Campos, e de Casimiro de Abreu, na Região dos Lagos, não tem essa garantia. As duas unidades sequer foram incluídas no último plano de contingência elaborado pelo governo do RJ.

"No último plano estadual de contingência publicado nesta semana no Diário Oficial, o estado do Rio de Janeiro retirou o hospital de campanha de Casimiro de abril desse Plano Estadual de contingência, o que conclui que não há nenhuma intenção do estado do Rio de Janeiro em construir esse hospital de campanha para atender a região da baixada litorânea", contou a defensora Raphaela Jahara.

No Hospital de Casimiro de Abreu, nem metade da estrutura foi montada. A Defensoria Pública diz que a unidade tem chance de não ser entregue e, por isso, tenta na Justiça que o governo estadual cumpra o que prometeu.

"Ajuizamos uma ação civil pública pedindo que o estado entregasse o Hospital de Campanha de Casimiro de Abreu e estamos tentando junto ao Tribunal de Justiça, que seja deferida a liminar porque uma vez que é único hospital do estado que não tem decisão judicial obrigando a que seja entregue, acreditamos que essa unidade provavelmente não vai ser inaugurado", disse a defensora.

Fernando Ferry disse que pode ter ocorrido uma falha humana e que os dois hospitais continuam com a previsão de serem entregues.

No RJ1, o governador Wilson Witzel falou sobre a demora na instalação dos hospitais de campanha. Dos sete previstos pelo poder público apenas a unidade do Maracanã, na Zona Norte do Rio, está funcionando.

"Não há como dizer que o trabalho não foi eficiente. Até os erros que essa empresa cometeu nós consertamos de outra forma", afirmou.





Por Fred Justo, RJ2

Nenhum comentário:

Postar um comentário