Afinal, porque devemos dormir entre sete a oito horas por dia? - CMN - Campos Magazine News

News

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Afinal, porque devemos dormir entre sete a oito horas por dia?

Vários estudos científicos mostram que a falta de sono causa mudanças significativas no corpo e aumenta o risco de problemas de saúde graves.
Reprodução
A quantidade saudável de sono para o adulto médio é de sete a oito horas por noite. Mas porquê?

Pesquisadores do Reino Unido e Itália analisaram dados de 16 estudos diferentes, realizados ao longo de 25 anos, cobrindo mais de 1,3 milhões de pessoas e mais de 100 mil mortes. 

Aqueles que geralmente dormiam menos de cinco a sete horas por noite eram 12% mais propensos a sofrer uma morte prematura. Pessoas que dormiam mais de oito ou nove horas por noite tinham um risco ainda maior - 30%.

Os investigadores também descobriram que as pessoas que reduziam o tempo de sono de sete/oito horas para menos de sete horas estavam em maior risco de morte por todas as causas. Além disso, também observaram um risco aumentado de morte por todas as causas naqueles que dormiam por um longo período de tempo durante a noite.

Afinal, devemos dormir quantas horas por dia?

O número ideal de horas de sono é aquele que faz com que a pessoa, no outro dia, sinta que dormiu o suficiente. Existe um senso comum que 8 horas de sono é o mais recomendável. Será? 

Existe um percentual pequeno de pessoas, que se sente bem com menos de 7 horas, também chamados de dormidores curtos. Há também os dormidores longos, aqueles que precisam de mais de 8 horas de sono. Porém, a maioria da população, incluindo os brasileiros, dorme entre 7 e 8 horas por noite. 

Dorme-se um pouco menos na 4ª e 5ª décadas de vida e um pouco mais na velhice e na infância, e ainda há evidências de que o ritmo do mundo moderno tem-nos feito dormir menos. 

Moradores de São Paulo, em 1987, dormiam uma média de 8 horas por noite, e, em 1995, 7,7 horas. Sem a pressão do dia a dia das grandes cidades, talvez dormíssemos mais. Uma pesquisa conduzida na aldeia dos índios Terena, no Mato Grosso do Sul, mostrou que eles dormem, em média, 8,5 horas por noite, e um terço deles ainda fazem uma sesta após o almoço diariamente.
 
Vários estudos foram desenvolvidos nas últimas décadas tentando responder à pergunta de qual é o número ideal de horas de sono para nossa saúde. O Congresso Europeu de Cardiologia que aconteceu em Munique, em agosto de 2018, trouxe pesquisas apontando que as artérias ficam mais enrijecidas quando dormimos menos de seis horas por noite e que o coração fica mais protegido quando dormimos entre 6-8 horas. 

Alguns estudos populacionais inicialmente demonstraram que o hábito de dormir entre 7 e 8 horas por noite estava associado a uma menor mortalidade do que dormir menos de 7 horas ou dormir mais de 8 horas. O mais provocativo nos estudos iniciais foi que indivíduos que dormiam mais de 8 horas tinham menos longevidade do que aqueles que dormiam menos de 7 horas. 

E por que dormir mais poderia trazer prejuízo à saúde? A melhor hipótese para explicar esses resultados é a de que a relação causa-efeito não seja: dormir mais prejudica a saúde. Seria o contrário: indivíduos que dormem mais têm mais chance de ter problemas de saúde que os fazem ter esse comportamento. E os estudos mais recentes cada vez mais apontam que essa segunda hipótese seja a mais provável.
 
Esse conjunto de evidências permite-nos dizer que dormir entre 7 e 8 horas por noite é um bom negócio para a maioria das pessoas. Vale lembrar que quantidade de sono deve vir acompanhada também de qualidade, e por isso devemos investir muito em nossa saúde psíquica e orgânica, pois nosso sono costuma mesmo reclamar quando não damos a devida atenção às nossas vidas.

 




 POR NOTÍCIAS AO MINUTO | CB
* Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e Diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

Nenhum comentário:

Postar um comentário