Países menos corruptos do mundo: veja o ranking - CMN - Campos Magazine News

News

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

Países menos corruptos do mundo: veja o ranking

A organização Transparência Internacional divulgou esta semana o ranking dos países mais e menos corruptos do mundo.
Mais amarelo, menos corrupto - Fonte: Transparência Internacional
Em primeiro lugar apareceram empatadas com 87 pontos a Dinamarca e a Nova Zelândia, consideradas as nações mais íntegras do planeta.

Em seguida na pesquisa vêm: Finlândia, Suíça, Singapura e Suécia. (ranking abaixo)

O ranking classifica 180 países e territórios pelos níveis de corrupção percebidos no setor público, de acordo com especialistas e empresários. Quanto melhor a posição no ranking, menos o país é considerado corrupto.

A análise deste no mostra que a corrupção é mais difundida em países onde muito dinheiro flui livremente em campanhas eleitorais e onde os governos ouvem apenas as vozes dos mais ricos e bem conectados”, explica a página na Transparência Internacional.

O índice analisa aspectos como propina, desvio de recursos públicos, burocracia excessiva, nepotismo e habilidade dos governos em conter a corrupção.

Brasil

O Brasil caiu uma posição no ranking mundial da corrupção em 2019 e repetiu sua pior nota no estudo .

Com o 5º recuo seguido, o país passou a ocupar 106ª posição no Índice de Percepção da Corrupção (IPC).

Isso representa o pior resultado desde 2012.

A nota brasileira foi a mesma do ranking de 2018: 35 pontos, a pior pontuação da série histórica, que começou há 7 anos.

A nota do Brasil é a mesma de Albânia, Argélia, Costa do Marfim, Egito, Macedônia e Mongólia.

Entre os países da América do Sul, o Brasil está atrás de Uruguai, Chile e Argentina, e à frente de Bolívia, Paraguai e Venezuela.

Mais corruptos

Com as notas mais próximas de zero, os países considerados mais corruptos são Síria, Sudão do Sul e Somália.

Veja a lista dos países menos corruptos do mundo:






Fonte: Transparência Internacional

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa – com informações da Transparência Internacional

Nenhum comentário:

Postar um comentário