Um ano após massacre de Suzano túmulo de assassino recebe visitas de admiradores - CMN - Campos Magazine News

News

domingo, 15 de março de 2020

Um ano após massacre de Suzano túmulo de assassino recebe visitas de admiradores

Policiais monitoram perfis na internet que expressaram simpatia pelos atiradores
Reprodução
Um ano após o ataque que matou dez pessoas na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, o túmulo de um dos jovens responsáveis pelo massacre volta e meia recebe admiradores que até velas acendem em sua homenagem.

Os funcionários do cemitério São João Batista, a quase 10 quilômetros da escola, desconversam, mas admitem que ficam de olho nos visitantes.

O túmulo abriga Guilherme Taucci Monteiro, o idealizador do ataque, conforme revelaram as conversas por aplicativo de celular e e-mails encontrados pela Polícia Civil.

Ele tinha 17 anos quando, junto de Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, invadiu a escola numa manhã do dia 13 de março de 2019, uma quarta-feira. Eles tentavam imitar o massacre na escola de Columbine, no Estado americano do Colorado, em 1999, quando dois alunos assassinaram 13 pessoas e feriram 24.

Dias antes, Taucci agradeceu pelas dicas que obteve no fórum da deep web Dogolachan: "Nascemos falhos, mas partiremos como heróis".

Virtualmente impossível de ser rastreado, é no Dogolachan que os autoproclamados incels fermentam seu ódio contra mulheres e figuras de autoridade, como professores e parentes.

Incel é a contração em inglês para "celibatários involuntários", termo com o qual homens jovens, solitários, misóginos e rancorosos costumam se apresentar. Castro também escreveu no mesmo fórum: "Depois estaremos diante de Deus com nossas 7 virgens".

Armados com um revólver, uma machadinha, uma besta com dardos, coquetéis molotov e bombas falsas, os brasileiros estudaram o ataque em Columbine.

Depois de cerca de 15 minutos, prestes a serem cercados pela polícia, os jovens executaram a segunda parte do plano. Após atirar contra um policial militar à paisana que mora nas proximidades e ouviu os disparos, Taucci matou Castro e cometeu suicídio.

Foi o segundo maior ataque em escolas brasileiras. O maior ocorreu em 2011, quando 12 crianças foram mortas e 13 ficaram feridas na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, no Rio de Janeiro. O assassino, Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, cometeu suicídio após ser baleado por um policial.

Tiros e golpes

O fascínio por Columbine surgiu em 2015, quando Taucci e um amigo, que hoje está apreendido em uma instituição para menores, conheceram o episódio. Depois, Taucci e Castro elaboraram um ataque reproduzindo em parte os passos dos criminosos da escola americana.

Em Columbine, a maioria das mortes ocorreu na biblioteca. Em Suzano, um dos alvos era o prédio do centro de línguas, que recebia jovens de outras escolas. Em Columbine, o professor Dave Sanders foi morto enquanto tentava salvar alunos.

Em Suzano, a professora Jussara de Melo conseguiu barrar a entrada do centro enquanto Taucci gritava: "Hoje vai morrer todo mundo". Depois, enquanto recarregava a arma, falava para adolescentes que se abraçavam assustadas: "Não vão chamar a polícia? Estamos atirando".

Diante de M., de 16 anos, contra quem nutriria algum desafeto, apontou a arma para seu rosto e apertou o gatilho. A munição falhou e ela correu, escapando ilesa. Outros, como Claiton Antônio Ribeiro, de 17 anos, ficaram paralisados de medo e acabaram baleados sem chance de defesa.

Dentro do prédio principal, Luiz Henrique Castro atingiu com o machado o aluno José Vitor Lemos, hoje com 19 anos. A lâmina ficou cravada em seu ombro e depois teve de ser removida em uma cirurgia delicada — José Vitor fugiu sozinho da escola e caminhou até um hospital.

Desarmado, Castro tentou agredir R., de 15 anos. Praticante de artes marciais, ela o enfrentou e conseguiu fugir pela porta da frente. Outros escaparam pelos fundos. A escola abrigava cerca de 400 alunos na hora do ataque.

Rede social

Após o atentado e a morte dos perpetradores, postagens em rede sociais começaram a preocupar policiais e psicólogos. Em uma troca de mensagens aberta, um suposto adolescente comentou com uma jovem de Suzano que adotou o sobrenome Taucci em seu perfil: "...N faz nem 1 ano que aconteceu e vc tá ameaçando pessoas que estudam la?...". "Só fui visitar", ela respondeu.

Em um post anterior, de 28 de maio, dois meses após o massacre, uma imagem feita no portão da escola Raul Brasil mostra a mensagem manuscrita: "F... da p... devem ser baleados". No perfil da jovem, imagens de Columbine, da Raul Brasil e de Taucci com uma bandana de caveira cobrindo o rosto e segurando o revólver adquirido ilegalmente para o ataque.

Essas atitudes foram o suficiente para alertar psicólogos e investigadores de polícia. A jovem e outros "fãs" do massacre passaram a ser discretamente monitorados, apesar de as autoridades não confirmarem nada.

Alguns são de Suzano e estão em acompanhamento psicológico desde o atentado — nenhum é da escola, apurou a reportagem. A maioria vive em outras cidades e até em outros Estados. Nas conversas há sempre dois elos: Suzano e Columbine. Em outras mensagens, uma garota comenta, não está claro se sobre Taucci ou Castro: "Esse eu pegava".

Na manhã de quarta-feira, em Avaré, a 321 quilômetros de Suzano, a polícia deteve três adolescentes que pretendiam atacar a escola municipal do bairro Bonsucesso II no aniversário de um ano dos crimes na Raul Brasil.

A polícia monitorava os adolescentes, dois de 16 anos e um de 15 anos, nas redes sociais. Com eles foram encontradas uma carabina com silenciador, três facas, munições de revólver, lâminas de bisturi e uma máscara. As autoridades foram avisadas pela direção da escola, que desconfiou dos jovens.

Para o psiquiatra Rodrigo Leite, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, é impossível afirmar que tanto os criminosos quanto seus admiradores sofram de algum transtorno. "A cultura incel vai demorar para ser devidamente entendida", disse.

Porém, Leite aponta alguns caminhos para esses comportamentos. Os principais seriam a alienação social e o sentimento de forte ressentimento contra o mundo que os cerca, já que esses jovens não teriam habilidades sociais para lidar com a realidade. "Por isso Suzano é um marco para essa cultura. Os assassinos se tornaram célebres e admirados, um fenômeno que ainda é novo no Brasil."

Quem ficou

Enquanto isso, em Suzano, as famílias tentam levar a vida. "Meu neto não fala nada, não quer psicólogo e não sei como ele está por dentro. Eu estou em tratamento. Tomo remédios e vivo nervosa", diz a aposentada Marina da Conceição Nascimento, de 59 anos. Ela criou o garoto, hoje com 15 anos, desde que era bebê. Ele frequentava a escola para estudar espanhol e perdeu um amigo e um primo, Caio Oliveira, um ano mais velho.

Após o massacre ele foi viver com o pai em outra cidade. O neto de Marina foi um dos que ajudaram a professora Jussara de Melo a segurar a porta, enquanto os atiradores tentavam entrar.

Esgotada, a professora entrou com pedido de aposentadoria e passou a cuidar da saúde. Ela é acompanhada por um psicólogo e um psiquiatra. "Entendo quem se calou", respondeu à reportagem em aplicativo de mensagem. Ela diz que ninguém quer ficar relembrando, por isso quem esteve mais perto dos assassinos prefere se recolher. "Cada um enfrentou sua própria dor", diz.

Essa dor e o receio de outro ataque fizeram com que parte dos alunos da Raul Brasil afirmasse que não iria à aula nem à missa programada para esta sexta-feira (13/03). Para muitos pais, as homenagens só farão os filhos reviver um acontecimento que desejam esquecer.

É uma repetição das críticas feitas um mês após o massacre, quando um show foi organizado. Os pais pedem mais segurança interna e policiamento na rua.

A escola Raul Brasil passa por reformas, deve ganhar portões reforçados, câmeras e ser reaberta entre abril e maio — por enquanto, os alunos foram deslocados para outro bairro. Mesmo assim, é provável que a sensação de insegurança demore muito tempo para passar.

Defesa questiona julgamento de terceiro envolvido

O adolescente que sabia das intenções dos atiradores de Suzano segue apreendido em uma instituição para menores infratores. Seu caso e julgamento estão em segredo de Justiça, por se tratar de um menor de idade. Ele segue internado por período indeterminado e, em tese, deve ganhar a liberdade ao completar 21 anos, daqui a três anos.

O jovem andaria na companhia dos dois atiradores e esteve com eles na garagem onde guardavam o carro alugado usado no dia. Ao saber do ataque, ele enviou mensagens para Guilherme Taucci:

"C… p… Taucci. Teve um tiroteio dentro d escola v… Mano dois adolescentes. E eles se mataram. Taucci, um dos atiradores tinha um machado igual ao seu. Agora sei que você nunca mais vai fazer aquelas perguntas chatas de ateu. (risadas) Te odeio."

A seguir, em uma conversa com uma professora da escola onde estudava, falou de Columbine e não mostrou empatia:

"Professora: O q vc acha de td isto

Adolescente: Ele fez oq a gente vivia conversando sobre. Entrou pra história.

[…]

Adolescente: Mas foi o q ele fez. Ele queria imitar um massacre americano Columbine

Professora: Vc n se sente culpado?

Adolescente: Não"

Em troca de mensagens em 18 de outubro de 2018, quase cinco meses antes, ele falou de planos:

"Adolescente: […] 1. Iríamos entrar como se nada tivesse acontecido e esperar pelo intervalo. Ai 9:35 meu amigos de fora iriam entrar com quem não quer nada 2. eu e o taucci iríamos um pra cada lado com facas eu ia executar os namorados primeiro os que ficam mais escondidos) e ele o povão lá do meio do pátio. 3 - quando a multidão se tocasse os amigos de fora iriam abrir fogo (pq a gente tinha um revólver com muita munição, e uma pistola que era do meu pai) 4 - a gente ia deixar as garotas nuas e executar algumas no meio do pátio e deixar o corpo de uma forma humilhante"

Esses diálogos comprometedores foram usados pela promotoria, porém o advogado do adolescente entrou com recurso junto a Superior Tribunal de Justiça (STJ), alegando falhas processuais. "O adolescente foi julgado em 45 dias para dar uma satisfação à sociedade. A defesa não teve acesso ao mesmo material que a acusação", diz seu representante Marcelo Feller, que atua junto à Defensoria Pública. "Sequer conhecemos os laudos", alega.

Não há data estimada para o recurso ser examinado.





Fonte: TERRA

Nenhum comentário:

Postar um comentário