Campos participa de discussões sobre o Porto Central-ES - CMN - Campos Magazine News

News

terça-feira, 10 de março de 2020

Campos participa de discussões sobre o Porto Central-ES

Reprodução
Na última sexta-feira, a Superintendência de Trabalho e Renda, participou de discussões relativas ao Porto Central, em Presidente Kennedy, no Espírito Santo, com previsão de início das obras em agosto deste ano, que irá trazer impactos à região no território fluminense.

Em duas reuniões no mesmo dia, uma em São Francisco de Itabapoana e outra no município capixaba, foram tratadas diversas questões envolvendo o empreendimento, cujas obras devem durar 15 anos e empregarão inicialmente cerca de 2 mil trabalhadores.

— Os investidores demonstram valorizar os municípios próximos, mesmo em outro estado, como Campos e São Francisco de Itabapoana, que terão, cada um, uma cadeira em seu Comitê. E em todo o período de construção, teremos oportunidade de gerar mão de obra para o empreendimento — avalia o diretor para Empregos da Superintendência de Trabalho e Renda, Marcelo Barreto.

Segundo Marcelo, a próxima reunião será em Campos, em data a ser definida, quando deverão participar representantes de diversos setores da administração municipal, como Educação, Desenvolvimento Econômico, Turismo, Meio Ambiente, dentre outros. São áreas de interesse direto e que poderão ser positivamente impactadas em relação ao empreendimento no estado vizinho.

— Serão 15 anos de obras e temos em Campos uma enorme gama de formadores de mão de obra especializada e conhecimentos, como universidades e escolas de cursos técnicos. O potencial que o porto abre para toda a região é enorme e as autoridades de todos os municípios circunvizinhos devem estar atentas às oportunidades que já estão surgindo — acrescenta Marcelo.

Complexo industrial multipropósito, o Porto Central em desenvolvimento em Kennedy ocupará área de aproximadamente 2 mil hectares, em águas com até 25 metros de profundidade, para receber navios de grande calado. O porto será construído em três fases e a primeira vai durar cinco anos. A segunda em mais cinco e a terceira em três anos e meio.

Desenvolvido no modelo de condomínio portuário, o porto servirá aos setores de petróleo e gás, mineração, agrícola, de apoio à indústria offshore, assim como estaleiro e terminal de contêiner e carga geral, para movimentação de cargas diversas, como veículos e produtos siderúrgicos, dentre outros.



Folha 1


Nenhum comentário:

Postar um comentário