Suspeito de atirar na ex-mulher grávida e na filha dela, de 3 anos, é detido em SJB - CMN - Campos Magazine News

News

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

Suspeito de atirar na ex-mulher grávida e na filha dela, de 3 anos, é detido em SJB

Reprodução | Foto: Virna Alencar
O suspeito de atirar na ex-mulher, de 30 anos, que está grávida de quatro meses, e na filha dela, de 3 anos, no Parque Eldorado, em Guarus, no dia 3 de fevereiro, foi detido no início da tarde desta quinta-feira (6), em frente ao campus do Instituto Federal Fluminense (IFF), em São João da Barra (SJB). 

A arma que teria sido utilizada no crime foi apreendida em um terreno baldio, no Parque Eldorado, após o local ser apontado pelo suspeito. A mulher, atingida no intestino, duodeno, fígado e rins, permanece internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Ferreira Machado (HFM). O feto não foi atingido pelos disparos. A menina de 3 anos recebe cuidados médicos na clínica pediátrica do HFM.

Segundo a Polícia Militar, o suspeito foi abordado após uma denúncia anônima informando que o homem havia saído de Atafona com destino a Campos. Ele estava dentro de um Gol prata, que fazia lotação para Campos. No carro estavam outros três passageiros, que, assim como o motorista, foram liberados.

Durante a abordagem, de acordo com os policiais, nenhum material ilícito foi encontrado com o suspeito, que teria confessado a autoria do crime e também apontado o local onde havia escondido o revólver calibre 38 utilizado na tentativa de homicídio. A arma foi localizada, com munições picotadas.

Ainda de acordo com a polícia, o homem alegou que a motivação do crime seria um desentendimento familiar que a ex-mulher teria provocado, mas que ele estaria arrependido. O homem e o material foram encaminhados à Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), onde o caso foi registrado.

O comandante do 8° Batalhão de Polícia Militar (BPM), tenente-coronel Luiz Henrique Monteiro, esteve na delegacia e falou sobre o trabalho desenvolvido pela PM na proteção da mulher, por meio da Patrulha Maria da Penha.

Logicamente, nos casos de homicídio e tentativa, a PM se desdobra ainda mais para tentar descobrir a autoria e, nesse caso especificamente, há uma criança baleada, que se encontra hoje com uma munição alojada em uma das bochechas. Isso gera uma comoção, não só enquanto profissional, mas enquanto pessoas que têm famílias. A Polícia Militar se empenhou e mais uma vez com a participação social e de policiais de folga, recebemos a informação e conseguimos fazer o cerco a tempo de abordá-lo com segurança e cumprir nosso papel de polícia. Ele foi réu confesso e nos levou até o local onde estava a arma de fogo. Assim, podemos juntar todas as questões envolvidas e apresentar à autoridade policial —declarou.







Folha 1

Nenhum comentário:

Postar um comentário