Professora assassinada em academia tinha medida protetiva contra ex-marido - CMN - Campos Magazine News

News

quinta-feira, 4 de julho de 2019

Professora assassinada em academia tinha medida protetiva contra ex-marido

A professora Regiane da Silva Santos, de 36 anos, morta a tiros na noite desta quarta-feira (03), dentro de uma academia, no distrito de Travessão, em Campos, estava sob o amparo de três medidas protetivas, sendo a mais recente requerida em maio deste ano. Segundo a Polícia Civil, a vítima solicitou a proteção na delegacia de Italva, onde informou ter sido vítima de ameaça, lesão corporal e injúria imputando os crimes ao marido. O corpo de Regiane foi sepultado na tarde desta quinta-feira (04), no cemitério de Travessão, na localidade de Arraial.

Reprodução
Segundo a polícia, a garantia das chamadas medidas protetivas é uma das formas de proteger a vítima e coibir a violência. Em janeiro e dezembro de 2018, Regiane buscou por amparo legal, mas não sendo suficiente, voltou a relatar os casos de violência em maio deste ano.

Na noite do crime, parentes de Regiane contaram que ela morava com o marido em Cardoso Moreira e depois de se separar, teria vindo para Campos, onde passou a morar com os pais, em Travessão. Ainda de acordo com a PM, a mulher, enquanto recebia socorro, teria apontado o ex-marido como o autor dos disparos. Com isso, o homem, que até o momento não foi encontrado, é apontado como principal suspeito do crime.

Logo após o crime, a Polícia Militar recebeu a informação, de um caminhoneiro, de que um homem teria se matado na estrada do Periquito, que liga a BR 101, na altura de Travessão, à BR 356, em Sapucaia. A informação, no entanto, não foi confirmada pela polícia.

A Polícia Civil informou ainda que até o momento não dispõe de nenhuma imagem da cena do crime. Até o final da tarde desta quinta-feira, nenhuma testemunha havia sido ouvida formalmente na 146ª Delegacia de Polícia de Guarus, onde o caso segue em investigação.
Crime – Regiane foi assassinada com pelo menos cinco tiros, três no tórax, um nas costas e outro na mão, por volta das 20h, dentro de uma academia, na rua Vicente Pelegrini, no distrito de Travessão. Ela não resistiu aos ferimentos e morreu antes de ser levada para a unidade hospitalar.
Reprodução Facebook

Fonte: Folha 1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tempo - Tutiempo.net