Represa de Gusttavo Lima é esvaziada após risco de rompimento - CMN - Campos Magazine News

News

quarta-feira, 22 de maio de 2019

Represa de Gusttavo Lima é esvaziada após risco de rompimento

Segundo a assessoria de imprensa, água tem sido bombeada para atingir nível de segurança e processo deve terminar no máximo até quinta-feira (23)
Divulgação
Desde segunda-feira (20), a represa localizada na fazenda do cantor Gusttavo Lima, em Bela Vista de Goiás (GO), tem passado por bombeamento para que a água atinja um nível seguro.

O processo tem sido realizado após rachaduras serem detectadas no local, que tem 5 metros de profundidade.

Representantes do Ministério Público, Bombeiros e da Polícia Civil que vistoriaram a fazenda determinaram que o lago fosse esvaziada em cerca de quatro metros até quinta-feira (23), para evitar um rompimento que poderia atingir casas nos arredores e até mesmo a rodovia GO-020.

Segundo a assessoria de imprensa do cantor, o escoamento parcial deve ser concluído no prazo estipulado ou até mesmo antes.

Em paralelo, estão sendo realizadas obras para construção de barragem de contenção. "Já não existem mais riscos e a situação está sob controle", garantiu a assessora do músico, Silmara Moraes.

A Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema), responsável pelo caso, tranquilizou os habitantes locais e garantiu que, ao atingir o nível de segurança exigido (um metro), a represa já ficaria estabilizada.

Na última sexta-feira (17), Gusttavo Lima avisou os vizinhos e ofereceu indenização e hospedagem, caso uma tragédia acontecesse.

Procurado, o delegado responsável pelo caso, Luziano Severino de Carvalho, não estava disponível para outros esclarecimentos.

Problemas na represa são antigos

Gusttavo Lima adquiriu a fazenda em setembro de 2017. Já naquela época, a equipe do cantor notou a necessidade de obras para evitar o rompimento da represa, construída em 1994.

Em seguida, Gusttavo diz que protocolou junto à extinta SECIMA, hoje SEMAD (Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável), o pedido de licença ambiental em dezembro do mesmo ano.

Diante da demora na análise do pedido, foram iniciadas obras no barramento para estabilização e consequente aumento de vida útil do lago. Mas as obras sofreram embargo no mês seguinte.

O sertanejo solicitou licença ambiental provisória para execução de serviços de urgência, pois havia risco de rompimento.  A licença foi concedida durante um período de 30 dias e o prazo foi insuficiente para conclusão das obras.

Segundo a equipe do cantor, a busca pela licença definitiva perdura até os dias atuais, sem análise pelo órgão ambiental.

Por conta disso, os procuradores do proprietário protocolaram junto à SEMAD em 15 de maio deste ano um requerimento em caráter de urgência, que expôs todo o ocorrido e visava a execução de obras emergenciais.

Em função da comunicação sobre a Barragem do Córrego Olaria, mediante o laudo técnico apresentado, foi desencadeada vistoria técnica realizada na última sexta-feira (17).

Gusttavo queria ampliar represa?

Por outro lado, em fevereiro de 2018 a Polícia Civil indiciou o músico e outras três pessoas por aumentarem a represa sem licença ambiental. Além de Gusttavo, também foram citados o administrador Jorge Pedro Kunzler, a esposa dele, a arquiteta Alessandra Jardim Lobo, e o biólogo Luciano Lozi.

De acordo com nota emitida pela Polícia Civial à época, a represa já possuía três hectares e o intuito era chegar a quatro. Porém, o trabalho estaria sendo realizado sem a devida autorização da Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima), atual Semad.

O próprio músico utilizou as redes sociais para falar sobre o assunto em 28 de fevereiro de 2018 e admitiu a intenção de aumentar o tamanho do lago. "Esse ano eu quis ampliar a represa e minha licença não foi negada, ela está em análise. Não pode haver conclusão de inquérito sem perícia técnica. As obras referente à ampliação do lago estão paralisadas desde que foi  protocolado o pedido", explicou via Twitter. A pena em caso de condenação varia de um a seis meses ou multa.



R7

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tempo - Tutiempo.net